Bem vindo    Telefone +571 3208320     Siga-nos

Image Alt

REUNIÃO DAS DIVISÕES TEMÁTICAS IBERCOM – DTIS

As Divisões Temáticas Ibercom (DTIs) foram introduzidas no Congresso IBERCOM 2013 realizado na Universidade Santiago de Compostela, Espanha, e continuaram no Congresso IBERCOM 2015, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. A proposta é que as Divisões Temáticas atuem com um novo princípio de trabalho interno através da implantação de uma Coordenação Colegiada em cada DTI. O princípio é reunir nela pesquisadores especialistas de países ibero-americanos, em um inédito conjunto paritário formado por brasileiro, português, espanhol e latino-americano. Neste Congresso IBERCOM 2019 acontece a IV Reunião das DTIs que continua a institucionalização dessa figura da Coordenação Colegiada. Reforçamos, pois, a  aposta numa nova dinâmica, mais participativa, tanto nos processos de avaliação e de seleção dos papers submetidos quanto, e principalmente, no fomento de uma atuação mais representativa e diversificada sobre a pesquisa da comunicação no espaço ibero-americano.  No limite, pois, o que nos anima é trabalhar por uma crescente qualificação do debate acadêmico na área através das 13 DTIs que se reunirão em Bogotá.

 

DTI 1 – EPISTEMOLOGIA, TEORIA E METODOLOGIA DA COMUNICAÇÃO 

Coordenadores:

  • Giovandro Ferreíra. Universidade Federal da Bahia, Brasil.
  • José Piñuel. Universidad Complutense de Madrid, España.
  • Paulo Serra. Universidade Beira Interior, Portugal.
  • Raúl Fuentes.Universidad Jesuita de Guadalajara, México.

Ementa:

A DTI pretende explorar os desafios epistemológicos, teóricos e metodológicos que estão sendo formulado pelos novos territórios de conhecimento e novos fenômenos comunicacionais em um mundo mutável. Manifesta interesse em focalizar as relações e intersecções entre os estudos da comunicação e dos meios com a gama das preocupações e posições teóricas e filosóficas contemporâneas. Igualmente, pretende trabalhar as reflexões sobre as experiências do pesquisador decorrentes ao longo do processo de pesquisa: os obstáculos, as decisões e as opções confrontados na prática da investigação.

Linhas de trabalho:

  • Estatuto inter, multi, transdisciplinar do campo da comunicação.
  • Reflexão epistemológica no campo e na pesquisa de comunicação.
  • Linhagens teóricas, clássicas e contemporâneas.
  • Avaliação metodológica da pesquisa empírica de comunicação.
  • Novos desenhos metodológicos e desenvolvimentos recentes nas técnicas, ferramentas e procedimentos quantitativos e qualitativos.
  • Experiências de trabalho de campo.
  • Novas concepções epistemológicas trazidas por uma crescente e globalizada “sociedade da comunicação”.

 

DTI 2 – COMUNICAÇÃO,  POLÍTICA  E ECONOMIA POLÍTICA 

Coordenadores:

  • Francisco Sierra. Universidad de Sevilla, España.
  • María H. Weber. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Nelson Ribeiro. Universidade Católica Portuguesa, Portugal.
  • Daniel Valencia. Pontificia Universidad Javeriana, Colombia.

Ementa:

A DTI trabalha o papel das tecnologias e das novas experiências na democratização do espaço midiático, de seus usos sociais e do direito à apropriação do espaço para diferentes práticas de comunicação e de expressão em conjunto com a configuração de novas esferas participativas.

Linhas de trabalho:

  • Definição de novos mapas de relações entre instâncias plurais de planejamento cultural e o direito à comunicação.
  • Acessibilidade e diversidade como aspectos constituintes de políticas de comunicação.
  • Novos modelos comunicacionais e construção da esfera pública.
  • Aspectos reguladores,  governança e representação.
  • Deliberação e opinião pública na era digital.

 

DTI 3 – COMUNICAÇÃO E CIDADANIA 

Coordenadores:

  • Carlos Arroyo. Universidad Católica Boliviana San Pablo, Bolivia.
  • Cicilia Krohling.Universidade Metodista de São Paulo, Brasil.
  • Raquel Paiva. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.
  • Juan Carlos Ceballos. Universidad Pontificia Bolivariana, Colombia.

Ementa:

Nas ações por apropriar-se e democratizar a comunicação como bem comum, contra a deslegitimação e o cerceamento do poder hegemônico sobre os espaços de comunicação e de representação social e cultural, é que se reativam as cosmovisões, saberes e fazeres, crenças, formas de organização, redes sociais e cidadãs, formas de narração e expressão, formas de ser e de estar, próprios do convívio e da cotidianidade nas culturas e da mobilização política na sociedade.

Linhas de trabalho:

  • Cultura popular e comunicação: memória, transferência, expressão e apropriação da comunicação na alteridade e na diversidade.
  • A ação comunicativa e organizativa nos movimentos sociais e culturais.
  • Estereótipos e deslegitimação dos grupos sociais e culturais: poderes hegemônicos, processos de cidadania e meios de comunicação.
  • Resistência e transformação das culturas frente à hegemonia comunicativa.
  • Processos de democratização comunicativa.

 

DTI 4 – EDUCOMUNICAÇÃO 

Coordenadores:

  • Adilson Citelli. Universidade de São Paulo, Brasil.
  • Lucía Castellón. Universidade Mayor, Chile.
  • Cristina Ponte. Universidade Nova de Lisboa, Portugal.
  • Roberto Aparici. Universidade Autónoma de Barcelona, España.

Ementa:

A Educomunicação é um campo de pesquisa interdisciplinar que transcende os limites entre educação e comunicação para gerar espaços de encontro e trabalho compartilhado, seja a partir da análise reflexiva, ou de algum tipo de atividade criativa, além de um ato de alfabetização, sendo uma ação comprometida consigo mesmo, os outros e o ambiente.

Linhas de trabalho:

  • Projetos educomunicativos como ferramentas de transformação social e dinamização comunitária: processos e produtos.
  • Aquisição de competências comunicativas de uma perspectiva crítica: vias de participação e tomada de decisão.
  • Metodologias de intervenção e aprendizagens significativas: vivência na ação  educomunicativa.
  • Novas tecnologias e inteligências múltiplas na educomunicação: o engajamento do fazer humano.

  

DTI 5 – COMUNICAÇÃO E IDENTIDADES CULTURAIS 

Coordenadores:

  • Gisela Grangeiro. Escola Superior de Propaganda e Marketing, Brasil.
  • Joao Freire. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.
  • Catarina Duff. Universidade Católica Portuguesa, Portugal.
  • Jorge Iván Jaramillo. Universidad Central, Colombia.

Ementa:

A DTI tem por foco as relações entre os meios de comunicação, a cultura onde atuam e as formações identitárias em sua multidimensionalidade. Privilegia abordagens metodológicas e teóricas inovadoras desse tripé, bem como as representações e identidades na cultura midiática e na cibercultura. A complexidade da sociedade contemporânea exige a superação de visões tradicionais, simplificadas e estereotipadas da diversidade cultural e comunicacional, exigindo atenção às diferentes culturas e formas de comunicação, sejam elas globais, nacionais ou locais, de gênero ou de classe, geracionais, etárias ou étnicas.

Linhas de Trabalho:

  • Identidade étnica.
  • Identidades de gênero.
  • Identidades etárias.
  • Comunicação e cultura popular
  • O global, o local, o nacional.
  • Identidades na cibercultura.

 

DTI 6 – COMUNICAÇÃO E CULTURA DIGITAL  

Coordenadores:

  • Eugenio Trivinho. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil.
  • Francisco Campos. Universidad de Santiago de Compostela, España.
  • Carla Ganito. Universidade Católica Portuguesa, Portugal.
  • Miguel Badillo. Universidad Nacional Abierta y a Distancia, Colombia.

Ementa:

O objeto da DTI é a Comunicação Mediada por Computador (CMC) e seus efeitos sobre a indústria de comunicação e nos diversos âmbitos da cultura contemporânea. Para tanto, propõe-se como objetivos principais: rever as teorias e métodos de pesquisa da comunicação, como ela é desafiada pelas mídias digitais, e desenvolver novas abordagens. A preocupação maior é contribuir para a construção de uma cultura de pesquisa na área de mídia digital no espaço ibero-americano.

Linhas de trabalho:

  • Estudos de Internet e sociedade.
  • Sociabilidade virtual: redes sociais, comunidades, blogs.
  • Dispositivos de convergência e transmídia.
  • Cultura digital: comunicação artística, política, educativa.
  • Pesquisa em comunicação e cibercultura: teorias, metodologias, técnicas.

 

DTI 7 – DISCURSOS E ESTÉTICAS DA COMUNICAÇÃO

Coordenadores:

  • Ana de Oliveira. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil.
  • Anabela Gradim. Universidade Beira Interior,Portugal.
  • Luis de Sá Martino. Cásper Líbero, Brasil.
  • Polina Golovatina. Universidad Pontificia Bolivariana, Colombia.

Ementa:

A DTI tem por objeto a interseção entre teorias da linguagem e teorias estéticas, contribuindo para a reflexão e a crítica de manifestações discursivas e expressivas da cultura contemporânea, tanto em trabalhos teóricos quanto analíticos. Acolhe estudos teóricos, leitura e análise crítica das linguagens e estéticas, das mensagens, dos produtos, dos processos, das mediações e interações socioculturais.  Seu marco são tanto as análises textuais quanto visuais, bem como suas inflexões epistemológicas e teóricas.

 Linhas de Trabalho:

  • Modos de funcionamento dos discursos nos meios impressos, visuais e digitais.
  • Problematizações das interações sociais midiatizadas, a partir de distintas formas de articulação de sentido, em diferentes situações de comunicação.
  • Abordagens que tratem da emergência de novas formas técnico-expressivas a partir da convergência dos meios.
  • Análises da dimensão estética dos processos comunicacionais.
  • Análise dos códigos, da expansão das linguagens, da constituição dos ambientes comunicacionais e da interação das “novas” e “velhas” mídias.

 

DTI 8 – RECEPÇÃO E CONSUMO NA COMUNICAÇÃO 

Coordenadores:

  • Isabel Ferín. Universidade de Coimbra, Portugal.
  • Eneus Trindade. Universidade de São Paulo, Brasil.
  • Lucía Benítez. Universidad de Cádiz, España.
  • Adriana Rodríguez. Pontificia Universidad Javeriana de Cali, Colombia.

Ementa:

A DTI acolhe as diversas abordagens sobre a recepção e o consumo em trabalhos teórico-críticos, discussões metodológicas e estudos empíricos. Incentiva trabalhos que cruzam disciplinas e fronteiras tradicionais entre “velhas mídias” e “novas mídias”, entre comunicação de massa, em grupo, interpessoal e virtual; entre conteúdo/produção e público/recepção. Dá atenção especial para a reavaliação de teorias, métodos e questões que informam as práticas da pesquisa de recepção. Privilegia a natureza do público como “comunidades de conhecimento” e as abordagens (principalmente etnográficas) para pesquisá-lo. E problematiza até que ponto as classificações tradicionais de audiências (massas, públicos e mercados) estão sendo desafiados pela fluidez e efemeridade das audiências virtuais e móveis.

Linhas de trabalho:

  • Práticas de consumo de mídias.
  • Recepção transmedia e crossmedia.
  • Estudo das audiências aplicadas aos meios de comunicação tradicionais e às novas mídias.
  • Novas tendências e formas de recepção, de consumo, de interação e participação de usuários e audiências.
  • Estudos de fãs.

 

DTI 9 – ESTUDOS DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL 

Coordenadores:

  • Nuno Brandao. Universidade Católica Portuguesa, Portugal.
  • José Túñez. Universidad de Santiago de Compostela, España.
  • Cleusa Andrade. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Verónica Suescún. Universidad Pontificia Bolivariana, Colombia.

Ementa:

As dinâmicas da sociedade e da comunicação são refletidas nas práticas de comunicação das organizações contemporâneas, cujo estudo hoje se tornou um campo multidisciplinar que envolve uma série de disciplinas e de áreas que incluem relações públicas, comunicação organizacional, comunicação estratégica, além de cultura organizacional e intercultural. Cada um desses campos tem expandido sua perspectiva e seu domínio para além de suas definições convencionais. A DTI propõe-se a investigar e compreender os fenômenos comunicacionais que, através desses múltiplos campos, se manifestam no ambiente organizacional e na constituição comunicativa das organizações.

Linhas de Trabalho:

  • Políticas e estratégias de comunicação.
  • Comunicação de riscos e crises.
  • Comunicação institucional, interna e mercadológica.
  • Opinião pública, opinião de públicos e formação da imagem pública.
  • Redes sociais e seus impactos nas organizações.
  • Gestão e processos comunicacionais nas organizações.
  • Identidade e reputação corporativa.
  • Memória Institucional.

 

DTI 10 – COMUNICAÇÃO AUDIOVISUAL 

Coordenadores:

  • Sandra Fischer. Universidade Tuiuti, Brasil.
  • Eduardo Vicente. Universidade de São Paulo, Brasil.
  • Eduardo Cintra. Universidade Católica Portuguesa, Portugal
  • María Urbanczyk. Pontificia Universidad Javeriana, Colombia.

Ementa:

Investigação em torno das mídias audiovisuais, incluindo aspectos históricos, teóricos e metodológicos. A linguagem, as técnicas, a história, as questões éticas. Inclui discussões em torno das mídias e dos campos que são tradicionalmente classificados como audiovisuais: cinema, rádio, televisão e fotografia, aprofundando em suas transformações com as tecnologias digitais e móveis. Desde as políticas de comunicação e cultura do audiovisual, os espaços geolinguísticos de comunicação audiovisual, até a produção de conteúdos (interativos e interculturais). Análise sistemática de conteúdos, de programação e de audiência em rádio, televisão, cinema e internet.

Linhas de trabalho:

  • Televisão.
  • Cinema
  • Rádio.
  • Mídias sonoras.
  • Fotografia
  • Mídias digitais

 

DTI  11 – ESTUDOS DE JORNALISMO 

Coordenadores:

  • Mozahir Salomao. Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais, Brasil.
  • Mayra Rodrigues. Universidade de São Paulo, Brasil
  • Xosé López. Universidad de Santiago de Compostela, España.
  • Beatriz Marín. Universidad Pontificia Bolivariana, Colombia.

Ementa:

A finalidade da DTI é acolher a pesquisa acadêmica que aprofunda a compreensão dos aspectos culturais, políticos, econômicos, sociais e profissionais do jornalismo. Seu principal objetivo é promover a pesquisa sobre fatores ocupacionais, de regulamentação, éticas, tecnológicas, políticas, comerciais, culturais e educacionais no jornalismo.

Linhas de Trabalho:

  • História, modelos, teorias.
  • Produção, recepção e consumo.
  • Métodos de pesquisa e de ensino.
  • Impactos das tecnologias no fazer e no pensar o jornalismo.
  • Gêneros jornalísticos na contemporaneidade.
  • Práticas jornalísticas e mercado.

  

DTI 12 – HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO E DOS MEIOS 

Coordenadores:

  • Marialva Barbosa. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.
  • Eduardo Gutiérrez. Pontificia Universidad Javeriana, Colombia.
  • Luís H. Marcos. Instituto Universitário da Maia, Portugal
  • Julio Benavides. Universidad Autónoma de Bucaramanga. Colombia.

Ementa:

Esta DTI volta-se para o estudo histórico dos emissores, suportes, receptores e mensagens da comunicação em qualquer de suas dimensões e perspectivas política, social, cultural ou econômica. As transformações históricas dos grandes modelos comunicacionais e das dinâmicas de interação entre os meios de comunicação, as fontes e os públicos.

Linhas de Trabalho:

  • Estudo da evolução histórica das empresas, das tecnologias e dos públicos da comunicação nos diferentes países e territórios.
  • Experiências e inovações metodológicas, historiografia nacional e internacional e novas fontes e abordagens científicas.
  • História da comunicação através dos meios audiovisuais: cinema, rádio, televisão, meios digitais.
  • Histórias de carácter transversal: história da comunicação, história da imprensa, história da cultura e dos meios de comunicação.

 

DTI 13 – FOLKCOMUNICAÇÃO 

Coordenadores:

  • Alberto Pena R. Universidad de Vigo, España.
  • Cristián Yáñez. Universidad Austral de Chile, Chile.
  • Maria de Oliveira. Universidade Federal do Ceará, Brasil.
  • Juan Ramos. Pontificia Universidad Javeriana, Colombia.

Ementa:

Estuda os processos comunicacionais pelos quais as manifestações da cultura popular se expandem, se socializam, convivem e sofrem modificações por influência da comunicação massiva e industrializada. As peculiaridades evidenciadas nas expressões de um povo demonstram uma complexidade de cadências, compassos, formas, formatos, cores e valores que, reunidos, configuram o patrimônio cultural de uma sociedade.

Linhas de trabalho:

  • Teoria e metodologia da folkcomunicação.
  • Folclore, cultura erudita e cultura de massa.
  • Manifestações espontâneas da folkcomunicação.
  • Intermediações folk-midiáticas no jornalismo, na publicidade, nas relações públicas, no cinema, na literatura, nas telenovelas, na cultura, no turismo, nos meios massivos (rádio, televisão, impresso), nas tecnologias digitais, nas manifestações religiosas, no desenvolvimento local e regional, na culinária, na política, entre outras.